João da Cruz e Sousa - Broquéis - 14 - Torre de Ouro





João da Cruz e Sousa - Broquéis - 14 - Torre de Ouro


Desta torre desfraldam-se altaneiras,

Por sóis de céus imensos broqueladas,

Bandeiras reais, do azul das madrugadas

E do íris flamejante das poncheiras.


As torres de outras regiões primeiras

No Amor, nas Glórias vãs arrebatadas

Não elevam mais alto, desfraldadas,

Bravas, triunfantes, imortais bandeiras.


São pavilhões das hostes fugitivas,

Das guerras acres, sanguinárias, vivas,

Da luta que os Espíritos ufana.


Estandartes heróicos, palpitantes,

Vendo em marcha passe aniquilantes

As torvas catapultas do Nirvana!



João da CRUZ E SOUSA (1861 - 1898) foi um poeta brasileiro, considerado um dos precursores do movimento simbolista no Brasil. Seus poemas são marcados pela musicalidade e pelo sensualismo, mesclado com uma espiritualidade e religiosidade de maneira às vezes espantosa. Broquéis foi seu livro de estréia, e contém algumas de suas obras mais famosas, como o poema Antífona, peça de abertura do livro.




 João da Cruz e Sousa - Broquéis - 14 - Torre de Ouro

Conteúdo correspondente: