João da Cruz e Sousa - Broquéis - 23 - Afra





João da Cruz e Sousa - Broquéis - 23 - Afra


Ressurges dos mistérios da luxúria,

Afra, tentada pelos verdes pomos,

Entre os silfos magnéticos e os gnomos

Maravilhosos da paixão purpúrea.


Carne explosiva em pólvoras e fúria

De desejos pagãos, por entre assomos

Da virgindade--casquinantes momos

Rindo da carne já votada a incúria.


Votada cedo ao lânguido abandono,

Aos mórbidos delíquios como ao sono,

Do gozo haurindo os venenosos sucos.


Sonho-te a deusa das lascivas pompas,

A proclamar, impávida, por trompas,

Amores mais estéreis que os eunucos!



João da CRUZ E SOUSA (1861 - 1898) foi um poeta brasileiro, considerado um dos precursores do movimento simbolista no Brasil. Seus poemas são marcados pela musicalidade e pelo sensualismo, mesclado com uma espiritualidade e religiosidade de maneira às vezes espantosa. Broquéis foi seu livro de estréia, e contém algumas de suas obras mais famosas, como o poema Antífona, peça de abertura do livro.




 João da Cruz e Sousa - Broquéis - 23 - Afra

Conteúdo correspondente: