Castro Alves - Os Escravos - 06 - A órfã na sepultura




Castro Alves - Os Escravos - 06 - A órfã na sepultura


Minha mãe, a noite é fria,

Desce a neblina sombria,

Geme o riacho no val

E a bananeira farfalha,

Como o som de uma mortalha

Que rasga o gênio do mal.


Não vês que noite cerrada?

Ouviste essa gargalhada

Na mata escura? ai de mim!

Mãe, ó mãe, tremo de medo.

Oh! quando enfim teu segredo,

Teu segredo terá fim?


Foi ontem que à Ave-Maria

O sino da freguesia,

Me fez tanto soluçar.

Foi ontem que te calaste...

Dormiste . . os olhos fechaste...

Nem me fizeste rezar! ...


Sentei-me junto ao teu leito,

'Stava tão frio o teu peito,

Que eu fui o fogo atiçar.

Parece que então me viste

Porque dormindo sorriste

Como uma santa no altar.


Depois o fogo apagou-se,

Tudo no quarto calou-se,

E eu também calei-me então.

Somente acesa uma vela

Triste, de cera amarela,

Tremia na escuridão.


Apenas nascera o dia,

À voz do maridedia

Saltei contente de pé.

Cantavam os passarinhos

Que fabricavam seus ninhos

No telhado de sapé.


Porém tu, por que dormias,

Por que já não me dizias

"Filha do meu coração?"

'Stavas aflita comigo?

Mãe, abracei-me contigo,

Pedi-te embalde perdão...


Chorei muito! ai triste vida!

Chorei muito, arrependida

Do que talvez fiz a ti.

Depois rezei ajoelhada

A reza da madrugada

Que tantas vezes te ouvi:


"Senhor Deus, que após a noite

"Mandas a luz do arrebol,

"Que vestes a esfarrapada

"Com o manto rico do sol,

"Tu que dás à flor o orvalho,

"Às aves o céu e o ar,


"Que dás as frutas ao galho,

"Ao desgraçado o chorar;

"Que desfias diamantes

"Em cada raio de luz,

"Que espalhas flores de estrelas

"Do céu nos campos azuis;


"Senhor Deus, tu que perdoas

"A toda alma que chorou,

"Como a clícia das lagoas,

"Que a água da chuva lavou;

"Faze da alma da inocente

"O ninho do teu amor,


"Verte o orvalho da virtude

"Na minha pequena flor.

"Que minha filha algum dia

"Eu veja livre e feliz! ...

"Ó Santa Virgem Maria,

"Sê mãe da pobre infeliz."


Inda lembras-te! dizias,

Sempre que a reza me ouvias

Em prantos de a sufocar:

"Ai! têm orvalhos as flores,

"Tu, filha dos meus amores,

"Tens o orvalho do chorar".


Mas hoje sempre sisuda

Me ouviste... ficaste muda,

Sorrindo não sei pra quem.

Quase então que eu tive medo...

Parecia que um segredo

Dizias baixinho a alguém.


Depois... depois... me arrastaram...

Depois... sim... te carregaram

P'ra vir te esconder aqui.

Eu sozinha lá na sala...

'Stava tão triste a senzala...

Mãe, para ver-te eu fugi...


E agora, ó Deus!... se te chamo

Não me respondes!... se clamo,

Respondem-me os ventos suis...

No leito onde a rosa medra

Tu tens por lençol a pedra,

Por travesseiro uma cruz.


É muito estreito esse leito?

Que importa? abre-me teu peito

— Ninho infinito de amor.

— Palmeira — quero-te a sombra.

— Terra — dá-me a tua alfombra.

— Santo fogo — o teu calor.


Mãe, minha voz já me assusta...

Alguém na floresta adusta

Repete os soluços meus.

Sacode a terra... desperta!...

Ou dá-me a mesma coberta'

Minha mãe... meu céu... meu Deus...


Os Escravos é uma coleção de poemas do escritor brasileiro Castro Alves com temática centrada no drama da exploração dos escravos. Em função de sua renhida luta pelo fim da escravidão no Brasil, este poeta ficou conhecido como Poeta dos Escravos. Este volume, publicado postumamente em 1883, recolhe muitos dos poemas que tornaram Castro Alves um símbolo da luta dos que não tem voz, como lembra Pablo Neruda em poema dedicado a Alves: em portas até então fechadas para que, combatendo, a liberdade entrasse.



 Castro Alves - Os Escravos - 06 - A órfã na sepultura

Conteúdo correspondente: