Luís Vaz de Camões - Soneto 94 - Despois que Quis Amor que Eu só Passasse





Luís Vaz de Camões - Soneto 94 - Despois que Quis Amor que Eu só Passasse


Despois que quiz Amor que eu só passasse

Quanto mal ja por muitos repartio,

Entregou-me á Fortuna, porque vio

Que não tinha mais mal que em mi mostrasse.


Ella, porque do Amor se avantajasse

Na pena a que elle só me reduzio,

O que para ninguem se consentio,

Para mim consentio que se inventasse.


Eis-me aqui vou com vário som gritando.

Copioso exemplario para a gente

Que destes dous tyrannos he sujeita;


Desvarios em versos concertando.

Triste quem seu descanso tanto estreita,

Que deste tão pequeno está contente!




 Luís Vaz de Camões - Soneto 94 - Despois que Quis Amor que Eu só Passasse

Conteúdo correspondente: